Roc2c Blog

If you need a real good pavement for your home, Roc2c has the solution for you!

24/10/17

A Viagem ao Mundo em busca da Calçada Portuguesa / The World s Trip searching Portuguese Paviment




 A Viagem ao Mundo em busca da Calçada Portuguesa



Ernesto Matos
© Sapo Notícias

                                        


O designer e fotógrafo Ernesto Matos abraçou um enorme e grandioso desafio de percorrer o mundo durante uma década, como propósito de encontrar vestígios do pavimento Português. As tão famosas pedras pretas e brancas portuguesas são o ponto fulcral deste trabalho, mas  para os autores da obra são muito mais do que isso.
“Há poemas da calçada portuguesa de todas as partes do mundo, mas os que mais me encantam, aqueles que são a minha paixão, são sobre Macau”, indicou em declarações ao Jornal TRIBUNA DE MACAU.
            
       Pode-se verificar que em Macau, as calçadas “ estão bem conservadas, não há uma pedra levantada, não se perdeu o hábito de fazer calçada e continua com motivos orientais e ocidentais, demonstrando a interculturalidade dos povos”  e isto é um motivo de orgulho para Ernesto Matos. (citações retiradas do jornal Tribuna de Macau.

          Iniciou a sua viagem em Lisboa e foi até outras localidades portuguesas. Seguiu viagem até Espanha e desceu a África, daí deslocou-se ao Extremo Oriente e a Macau, atravessou o Índico até chegar ao Haway, subiu à Califórnia e desceu ao Brasil. Os arquipélagos dos Açores e da Madeira foram onde o designer Ernesto Matos terminou a sua Odisseia pelo Mundo em busca da Calçada Portuguesa. Dois livros -- “Calçada Portuguesa- Lux Platearum” e “Calçada Portuguesa no Mundo-- Stellis Undis Contactis”reúnem o espólio fotográfico desta viagem e foram apresentados na Fundação Rui Cunha, em Macau, no dia 12 de outubro.

 "Calçada Portuguesa- Lux Platearum"
© Ernestomatosimagens
 "Calçada Portuguesa- Stellis Undis Contactis"
© Jornal Ponto Final
















"Calçada Portuguesa- Lux Platearum"
© Jornal Ponto Final
                                          

Na Fundação Rui Cunha estiveram presentes Ernesto Matos, António Correia e Teresa Portela para apresentar “A poética da Luz na Calçada Portuguesa” , pois Ernesto Matos convidou o poeta e escritor António Correia a ilustrar com um poema cada uma das fotografias presentes na obra. Correia explica que as palavras lhe foram surgindo à medida que ia recebendo as imagens, cumprindo sempre o compromisso de respeitar a temática de cada uma delas “Forçosamente tudo o que escrevesse teria que fazer alguma alusão à pedra, ao calceteiro, à imagem da calçada. Até com as limitações de espaço [porque] muitas vezes escrevia um poema maior e depois tínhamos que cortar para caber na página”, revelou ao jornal Ponto Final


 Fundação Rui Cunha
© Tribuna de Macau


A exposição patente na Fundação Rui Cunha inclui ainda pinturas de Teresa Portela, tendo sido essas pinturas baseadas na ideia lançada por Ernesto Matos, a de representar a calçada portuguesa, o que a pintora fez dando-lhe um toque diferente. “Pintei primeiro as pedras e depois pensei: se isto vai para Macau, porque não hei-de juntar as duas artes? Então, juntei a arte chinesa dos ‘lai sis’ à arte portuguesa da calçada”. - citação do Jornal Tribuna de Macau.

         Assim, as pinturas mostram uma situação que “é como se um ‘lai si’ tivesse caído ao chão”, indicou a autora ressalvando, porém, que tudo depende também da interpretação dada pelas pessoas que apreciam as obras. - citação do Jornal Tribuna de Macau.








The World s Trip searching Portuguese Pavement



The designer and photographer Ernesto Matos embraced a huge and enormous challenge of traveling the world for a decade, with the purpose of finding traces of Portuguese pavement. The famous Portuguese black and white stones are the focal point of this work, but for the authors of this work, the pebbles are much more than that.

            “There are poetry of the portuguese cobblestone from all over the world, but the ones that enchant me most, those that are my passion, they are the poems about Macao," he said in the TRIBUNA DE MACAU newspaper.



            It can be verified that the sidewalks in Macao "are well preserved, there is not a stone raised, it has not lost the habit of doing sidewalks and it still has oriental and western themes showing people interculturality" and this is a reason of pride for Ernesto Matos. (quotes taken from Tribuna de Macau newspaper.
                   


Calçada Portuguesa em Macau
© Gonçalo Lobo Pinheiro


            He started his trip in Lisbon and he went to another Portuguese cities. He traveled to Spain and down to Africa, from there he went to the Far East and Macao then he crossed the Indian Ocean to Haway, he went up to California, and he came down to Brazil. Azores and Madeira were where the designer Ernesto Matos finished his Odyssey around the World searching the Portuguese Cobblestone. Two books - "Calçada Portuguesa- Lux Platearum" and "Calçada Portuguesa no Mundo - Stellis Undis Contactis" gather the photographic collection of this trip and they were presented at the Rui Cunha Foundation in Macau on October 12th.

            At the Rui Cunha Foundation, Ernesto Matos, António Correia and Teresa Portela presented "The poetics of light in the Portuguese Cobblestone", so Ernesto Matos invited the poet and writer António Correia to write a poem for each photography. Correia explains that the words came to him as soon as he received the images and he was always committed to respecting the theme of each one of them "Forcibly, everything that I wrote would have to make some reference to the stone, to the pawn, to the image of the sidewalk. Even with the limitations of space [because] I often wrote a larger poem and then we had to cut to fit the page, "he said to Ponto Final newspaper.

          The exhibition featured in the Rui Cunha Foundation also includes paintings by Teresa Portela, these paintings were based on the idea launched by Ernesto Matos, to represent the Portuguese cobblestone, which the painter did, giving it a different touch. "Firstly I painted the stones and then I thought, if this goes to Macao, why should not I connect the two arts? So I added the Chinese art of 'lai sis' with the Portuguese art." quote taken from Tribuna de Macau newspaper.



 Pintura baseada na Calçada Portuguesa
 
© Fundação Rui Cunha


                Thus, the paintings show that "it is as if a 'lai si' had fallen to the ground," the author pointed out, however everything also depends on the interpretation given by the people who appreciate the works.- Quote taken from Tribuna de Macau newspaper.








Sem comentários:

Enviar um comentário